Escola como negócio é o grande desafio dos gestores de educação do século XXI

Somente gestores que buscarem formação em administração empresarial conseguirão aumentar o faturamento e a lucratividade do negócio chamado escola, diz coach Tânia Queiroz

Pensar a escola como uma empresa prestadora de serviços, que vende produtos e tem nos pais e nos alunos os seus ‘clientes’. É o que defende a coach e consultora pedagógica Tânia Queiroz, uma das palestrantes do ciclo de debates promovido pelo Sistema Maxi de Ensino, no Encontro de Mantenedores, marcado para os próximos dias 7 e 8 de julho, no Hotel Sheraton Reserva do Paiva, na Praia do Paiva (PE).

O Sistema – que integra o Grupo SOMOS Educação e está presente em todo o país, com 143 escolas no Nordeste, sendo 31 delas só em Pernambuco – apóia um modelo de gestão escolar com foco na qualidade do atendimento e no investimento na capacitação dos seus gestores, educadores e funcionários, colocando a escola como um verdadeiro negócio.

“Se gestores e educadores se unirem em um planejamento estratégico, com foco em resultados, os alunos consequentemente serão beneficiados. É um modelo que exige repensar a qualidade do atendimento aos seus clientes e o investimento que é dado na capacitação de todos que fazem o ambiente escolar”, comenta Tânia Queiroz, que abordará o tema Planejamento Estratégico e Gestão Integrada – É Divertido Fazer o Impossível.

coach reconhece a dificuldade em manter essa gestão profissional nas escolas, já que ainda existe resistência em enxergar a instituição como uma empresa prestadoras de serviços. Ainda de acordo com ela, só os gestores que buscarem uma formação na área da administração empresarial vão conseguir aumentar o faturamento e a lucratividade do negócio chamado escola. “Encarar o aluno como um cliente e a escola como uma empresa para muitos gestores representa uma visão capitalista inadequada. Mas é preciso desenvolver uma visão empreendedora e promover práticas pedagógicas como estratégias de marketing, comprometidas com os resultados.

O gerente de serviços educacionais do grupo SOMOS Educação, Fabrício Vieira, vê a necessidade de gestores formarem uma equipe multiprofissional para, dessa forma, garantir a sustentabilidade econômica das escolas que, não raras vezes, são geridas por quem não detêm expertise em administração escolar. “Esse fato pode levar a erros administrativos que dificultam o trabalho pedagógico. Para viabilizar a gestão os dirigentes escolares devem formar equipes para que todos os envolvidos possam trazer olhares e experiências diferentes, proporcionando uma administração mais saudável”, ressalta.

Ainda de acordo com Fabrício Vieira, outra ferramenta importante na gestão escolar é a avaliação institucional, que evita que gestores tomem decisões de acordo com a sua própria percepção, não levando em conta a expectativa da comunidade escolar. “Essa avaliação possibilita escutar todos os agentes da escola e permite promover melhorias para o seu bom funcionamento. Um exemplo é o de uma escola que resolveu investir na sua fachada e, após a avaliação institucional, ficou evidente que a grande expectativa dos pais era melhorar a segurança do colégio”, diz o gestor.

Serviço: Encontro de Mantenedores Sistema Maxi de Ensino
Data: 7 e 8 de julho de 2016
Abertura: Dia 7 às 19h30 e dia 8, das 8h30 às 17h15
Local: Sheraton Reserva do Paiva / Recife
Inscrições: até o dia 30 de junho de 2016 pelo site somossistemas.com.br/encontromaxi

*

line
footer
Powered by Wordpress | © Executiva Press • Todos os direitos reservados